distribuição de lucros

Embora pareça complexa, a distribuição de lucros no Simples Nacional e no Lucro Presumido é relativamente simples.

No entanto, é necessário seguir algumas regras básicas, para evitar problemas fiscais no futuro, além de determinar os valores corretos para cada sócio.

Por isso, é importante conhecer as diferenças de cada sociedade, e os valores que incidem sobre elas.

Veja como funciona a distribuição de lucros no regime Simples Nacional e no Lucro Presumido, e saiba a importância de conhecer cada procedimento.

Diferenças entre Simples Nacional e Lucro Presumido

Antes de mais nada, é importante saber as diferenças entre os regimes Simples Nacional e Lucro Presumido.

Inicialmente, o Simples Nacional é o regime mais popular, pois como o nome indica, possui tributações mais simples.

No entanto, o limite máximo de uma empresa que deseja adotar esse formato é de R$ 3.600.000,00 no ano-calendário.

Enquanto isso, o Lucro Presumido permite empresas que faturem até R$ 78.000,00, e funcionam com base na previsão de rendimentos, como o nome indica.

Ainda, no Simples Nacional, existe a incidência de oito impostos em uma única guia de pagamento.

No entanto, o Lucro Presumido conta apenas com um percentual da receita bruta como imposto, que varia de 1,8% a 32%. Dessa forma, sua base de cálculos é mais simples, e inclui a apuração dos principais impostos.

Essa é a principal diferença para a distribuição de lucros de cada regime.

O que é distribuição de lucros?

Em resumo, a distribuição de lucros consiste no pagamento da remuneração de todos os sócios e acionistas da empresa, a partir do capital investido e dos riscos assumidos.

Dessa forma, a distribuição não será igual para todos, uma vez que cada sócio pode ter contribuído de maneira diferente para a sociedade.

Além disso, a distribuição de lucros não é semelhante ao pró-labore. O primeiro trata-se da divisão dos rendimentos positivos da empresa, independente da posição do sócio. O segundo funciona como a remuneração mensal pelos trabalhos dos colaboradores-sócios.

Como ocorre a distribuição de lucros no Simples Nacional?

A começar pelo regime do Simples Nacional, a forma mais simples de distribuição dos Lucros é por meio da Demonstração do Resultado Anual (DRE).

Esse documento irá calcular o lucro líquido da empresa, facilitando o processo de dividir cada porcentagem entre os acionistas e sócios.

No entanto, a legislação tributária permite que apenas 32% da receita seja distribuída com a isenção de impostos. O restante que passar disso terá incidência de pagamentos.

Além disso, a periodicidade da distribuição de lucros no Simples Nacional deve ser um acordo entre os sócios no regulamento da empresa.

Como ocorre a distribuição de lucros no Lucro Presumido?

Enquanto isso, empresas que trabalham com o Lucro Presumido podem fazer a distribuição de lucros integral com isenção de impostos.

Entretanto, a condição é que o lucro líquido seja maior que o lucro presumido, após as deduções de IRPJ.

Caso contrário, poderá ocorrer a incidência de encargos tributários.

Fora isso, o processo é semelhante ao Simples Nacional, com divisão correspondente a porcentagem de contribuição de cada sócio.

Por que conhecer a distribuição de lucros dos dois regimes?

Por fim, vale a pena conhecer a distribuição de lucros do Simples Nacional e do Lucro Presumido para ajudar na sua decisão do melhor regime para sua empresa.

Caso suas atividades se enquadrem no formato, pode ser mais ou menos vantajoso utilizar um dos regimes.

Por exemplo, o Lucro Presumido permite a distribuição total sem impostos, mas com a condição de ser superior à previsão, o que pode não acontecer.

Enquanto isso, o Simples Nacional tem porcentagem menores de impostos, mas com distribuição reduzida.

Por isso, é importante conhecer ambos, para fazer uma análise mais detalhada sobre o regime mais vantajoso, mas com mais informações sobre cada processo.